Revista PechinchãoRelatórios e análises do mercado do Picodi.com

Estacionamento na rua: comparação de preços em zonas de estacionamento pagas em todo o mundo

PicodiDezembro 14, 2021

É muito provável que nenhuma cidade do mundo seria capaz de proporcionar estacionamento gratuito para todos. Em locais com grande procura mas com um pequeno número de lugares de estacionamento, as autoridades municipais introduzem zonas de estacionamento limitadas e pagas.

Os analistas do Picodi.com verificaram quanto custa estacionar um carro em 48 capitais e grandes cidades de todo o mundo, e quais são os descontos para os residentes destas zonas.

Nesta comparação, analisamos o custo de uma hora de estacionamento na rua num dia de trabalho em zonas com zonas de estacionamento pagas, e as autorizações anuais dedicadas aos residentes dessas zonas.

Custo de uma hora de estacionamento

Entre as cidades incluídas neste estudo, a capital do Reino Unido é a mais cara. Uma hora de estacionamento na Greater London pode custar até 9,9 €. Em Amesterdão, paga-se 7,5 € por estacionamento no próprio centro, e na capital norueguesa, Oslo – 7,5 € também.

A tarifa horária pode variar em função da procura de lugares de estacionamento num determinado local. Normalmente, quanto mais longe do centro, mais baixa é a tarifa.
Lisboa é uma das cidades onde o preço difere dependendo da zona. Uma hora custa entre 0,80€ até 3€, e é uma das taxas mais médias deste relatório.

A cidade mais barata do ranking é a capital da Arménia, Yerevan, onde uma hora de parqueamento na zona de estacionamento pago custou apenas 0,18 €.

Estacionamento pago em cidades de todo o mundo

Custo da licença de estacionamento dos residentes

As pessoas que vivem em zonas de estacionamento pagas podem estacionar sem limites de tempo e com as taxas mais favoráveis, na condição de viverem permanentemente na cidade e aí pagarem impostos.

Em 5 das 48 cidades incluídas nesta lista, os residentes podem deixar o seu carro na rua com um paquímetro gratuito se estacionarem perto do seu lugar de residência, por exemplo, Lisboa, Buenos Aires e Cidade do México.

Os condutores de Lisboa que moram nas Zonas de Acesso Automóvel Condicionado podem pedir um Dístico de Residente que permite o acesso e estacionamento nas ruas da zona de residência, sem limite de tempo.

No entanto, na maioria das cidades, os residentes de zonas de estacionamento pagas têm de fazer o pagamento por essa inscrição. Por exemplo, em Madrid custa 24,6 € por ano, em Berlim 10,2 € por ano, sendo os mais caros em Estocolmo (de 357 € para 1 309 €), Riga (de 300 € para 1 020 €) e Amesterdão (de 32 € para 56 €).

Em 6 das 48 cidades avaliadas, os residentes não têm nenhum desconto para residentes. Têm de comprar um lugar de estacionamento na garagem, procurar um lugar de estacionamento gratuito fora da zona de estacionamento pago ou adquirir uma licença de estacionamento nos termos e condições gerais. Estas cidades incluem Nova Iorque, Kiev, Minsk e Tbilisi.

Vale a pena mencionar que as zonas de estacionamento pagas raramente cobrem toda a cidade. Por exemplo, em Lisboa, observamos 32,7% da área da cidade é uma zona, em Madrid – 8,1%, em Praga – 21%, e em Berlim – 5%. A única excepção é Paris, onde toda a cidade é uma zona.

Metodologia e fontes de dados

Este estudo considera as tarifas de estacionamento em zonas de estacionamento pagas em dias de semana durante uma hora completa, e os preços das autorizações de residência que lhes dão direito a estacionamento ilimitado em zonas pagas próximas do seu local de residência, excluindo quaisquer descontos, por exemplo, para proprietários de automóveis eléctricos ou com baixas emissões, pessoas com deficiência, etc.

Os preços provêm dos websites das câmaras municipais ou das unidades que gerem as zonas de estacionamento pagas. A lista de cidades e instituições está disponível neste link.

A dimensão das zonas em relação à área das cidades foi calculada utilizando a ferramenta de mapeamento Google Earth.

As moedas foram convertidas à taxa de câmbio média a partir de Novembro de 2021, de acordo com o Google Finance.

Uso público

Os dados infográficos e estatísticos apresentados no relatório podem ser livremente utilizados tanto para fins comerciais como não comerciais, indicando o autor do estudo (Picodi.com) com um link para esta subpágina. Se tiver alguma dúvida, por favor contacte-nos: research@picodi.com.